05/03/21

Dia Internacional da Mulher: presidente da Anamatra participa de eventos temáticos promovidos por Amatras e TRT

Comissão Anamatra Mulheres também promove evento voltado a lideranças associativas das Amatras
05/03/21

ABDT avalia crise sanitária e econômica durante 24º Colóquio

Evento presidido pelo Ministro Agra Belmonte marcou a posse do novo acadêmico, Eduardo Pragmácio
04/03/21

MCCE: Anamatra integra grupo de trabalho “Mulheres na Política”

Juíza Noemia Porto participou da primeira reunião telepresencial do grupo

Receba nossa newsletter

Correio Braziliense

Temer segura salários para garantir o ajuste

Preocupado com críticas do mercado ao excesso de concessões do governo, que põe em risco as contas públicas, o presidente interino articula com a base política o adiamento de projetos de aumento salarial. Categorias prometem reagir

VERA BATISTA

O presidente interino, Michel Temer, abriu uma guerra com servidores federais ao propor o adiamento das propostas de aumento salarial do funcionalismo que tramitam no Congresso. A intenção do governo é recuperar a confiança dos investidores, preocupados com o efeito da sucessão de reajustes aprovados nos últimos meses nas contas públicas, que estão em frangalhos. O ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, explicou que "o momento é de segurar reajustes" e aprovar medidas para reduzir o deficit fiscal. "O governo teme que, o avanço das campanhas eleitorais esvazie o Congresso, inviabilizando a aprovação de medidas importantes, como as reformas trabalhista e previdenciária", destacou, após almoço de Temer com líderes da base de apoio do governo na Câmara.

Entre as categorias com reposição em análise no Legislativo estão os ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), Procuradoria-geral da República (PGR), Defensoria Pública da União (DPU), servidores da Receita, e polícias Federal e Rodoviária. O movimento do governo desagradou a juízes, que vão se beneficiar da elevação dos subsídios dos ministros do STF -- teto remuneratório do funcionalismo --, de R$ 33,7 mil para R$ 39,2 mil.

O presidente da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), João Ricardo Costa, acredita que "o governo quer desviar o foco do principal, que é o esvaziamento do Judiciário". Ele lembrou que a categoria está mobilizada desde 8 de agosto para demonstrar insatisfação com o projeto que altera a lei do abuso de autoridade e as discussões da prerrogativa do foro de autoridades públicas. "São investidas negativas do Executivo e do Legislativo. O aumento é mais uma consequência. As crises podem ser resolvidas de outra forma", argumentou.

Luiz Colussi, diretor de Assuntos Legislativos da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), disse que o aumento de 16,38%, em dois anos, que havia sido acertado com o governo, apenas recupera parcialmente o poder aquisitivo da classe. "O ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, já declarou que o entendimento foi bom para o governo. Confiamos no cumprimento do acordo. Do contrário, a disposição dos associados é de radicalização, o que pode levar a paralisações eventuais." A expectativa, segundo Colussi, é de que o projeto seja votado hoje na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado e, em seguida, no plenário da Casa, antes de seguir para a apreciação presidencial.

Os auditores-fiscais da Receita Federal estão de olho nos próximos passos de Temer. "O aumento devia vigorar a partir de agosto. Está atrasado", disse Pedro Delarue, diretor de Comunicação do sindicato nacional da categoria, o Sindifisco. Os projetos devem ser aprovados até fim de setembro, na Câmara e no Senado, para o dinheiro entrar nos contracheques de outubro. Se a intenção do presidente se concretizar, os auditores poderão ficar sem nada. "Isso é inadmissível", disse Delarue.

Engajamento

A atitude de Temer, interpretada por Geddel como "engajamento da base" e demonstração de esforço dos deputados para aprovação das matérias da pauta econômica, foi apoiada pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e por líderes partidários. "O que passou, passou", disse Maia, referindo-se à aprovação recente de aumento a mais de 1,1 milhão de servidores, com impacto de R$ 58 bilhões.

Para Geraldo Biasoto Júnior, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), a intenção foi "mais política que fiscal, em busca de base de sustentação". Segundo ele, o atual governo não deveria conduzir a reforma trabalhista ou a limitação do gasto públicos por 20 anos, mas só levar o Brasil até as próximas eleições. "Temer criou uma guerra com servidores à toa", avaliou.

Ganhando tempo

Alex Agostini, economista da Austin Rating, destacou que o mercado não prestou atenção à decisão de segurar os reajustes do funcionalismo. "Já era esperado. É sensato, embora seja perigoso mexer com o Judiciário. Temer já fez muitas concessões", disse. "Agora, Geddel (Secretaria de Governo), Henrique Meirelles (Fazenda) e Eliseu Padilha (Casa Civil) vão trabalhar para amenizar o impacto. O governo só está ganhando tempo para passar o período de impeachment", disse. Para ele, esse jogo político é natural e poderá ser revertido quando ficar claro à sociedade que gastos têm sérios impactos fiscais.

SHS Qd. 06 Bl. E Conj. A - Salas 602 a 608 - Ed. Business Center Park Brasil 21 CEP: 70316-000 - Brasília/DF
+55 61 3322-0266
Encarregado para fins de LGPD
Dr. Marco Aurélio Marsiglia Treviso
Diretor de Informática da Anamatra

Menu