26/07/17

Estudantes de escola pública fazem visita à Justiça do Trabalho em Salvador (BA)

Iniciativa fez parte do Programa Trabalho, Justiça e Cidadania (TJC)
26/07/17

Natal recebe seminário sobre a reforma trabalhista

Evento tem apoio da Anamatra, TRT21 e outras entidades da área
24/07/17

Anamatra e LTR lançarão obra coletiva com os principais temas da reforma trabalhista

Parceria com a editora resultará na publicação de artigos de juristas
10/07/17

Nota pública reitera posição contrária ao projeto de reforma trabalhista

Anamatra e entidades integrantes da Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas), MPT, OAB, CNBB, Abrat e Sinait r...
Correio Braziliense

Categorias se revoltam

» VERA BATISTA

As categorias que têm reajuste salarial dependente de projetos de lei em análise no Congresso se revoltaram contra a intenção do governo de adiar as votações. Para magistrados, o aumento dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) -- que estabelece o teto do funcionalismo -- deveria ser decidido logo. "O pedido de urgência tem que passar pelo Congresso antes do impeachment e o projeto deve ir logo à apreciação do presidente Temer", enfatizou Germano Siqueira, presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra). "Não há motivo técnico para protelação."

Siqueira chega a dizer que o efeito cascata da reposição de 16,38% em dois anos é praticamente nulo. Segundo ele, o estudo do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES), de que o impacto financeiro é de R$ 4,5 bilhões, partiu de premissa errada. "Se dividirmos o valor por 26 estados e o Distrito Federal e por 12 meses do ano, o efeito é bem menor", argumentou. "Os cálculos são equivocados. Incluem todos os servidores estaduais, até aqueles que não são alvo de aumentos automáticos", reforçou o presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), José Robalinho.

Para Siqueira, a relação entre as instituições ficou complicada. " Tudo já foi discutido entre o presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, com Dilma e Temer e lideranças do Congresso. Faltar com a palavra, agora, é grave. Seria mais digno dizer logo que não vai votar, do que tratar a magistratura e o Ministério Público com esse desrespeito", disse.

O adiamento foi tema de discussão em um grupo mantido por policiais federais em uma rede social. "Seria um caos. O país pararia", disse Luís Boudens, presidente da Fenapef (que representa agentes, escrivães e papiloscopistas). Carlos Eduardo Sobral, presidente da Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal (ADPF) disse que não há como deixar de repor as perdas de servidores de instituições importantes como a Polícia e a Receita Federal. "Mesmo diante de um período conturbado, não há justificativa para tamanho desrespeito. Motivaria atos de protestos e até paralisações. O governo tem que apontar suas prioridades."

Pedro Delarue, diretor do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita, afirmou que "causou incômodo a sinalização do governo de jogar para frente os reajustes". Ontem, a classe iniciou assembleia para discutir a possibilidade de operação-padrão em portos, aeroportos e fronteiras.