Pessoas com deficiência: reunião no CNJ discute regime especial de trabalho para magistrados e servidores

Luiz Silveira/Agência CNJ

Diretor de Cidadania e Direitos Humanos, Marcus Barberino, representou a Anamatra

O diretor de Cidadania e Direitos Humanos da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho (Anamatra), Marcus Barberino, participou, nesta terça (9/10), da primeira reunião do Grupo de Trabalho sobre a jornada de trabalho de magistrados e servidores com deficiência ou pais responsáveis por pessoas com deficiência. A comissão foi instituída pela Portaria CNJ nº 135, de 17/9/2019.

Na ocasião, foram discutidos diversos aspectos que envolvem o regime especial de trabalho no intuito de que este regime atenda tanto aos magistrados e servidores com deficiência, necessidade especial ou doença grave, como também seus dependentes. “A ideia do grupo de trabalho é esclarecer os objetivos da referida resolução, para que sua importância não reste diminuída ao mero conceito legal contido no ato normativo, no que se refere à pessoa com deficiência.

Entre as possibilidades discutidas na reunião estiveram o teletrabalho e o auxílio direto aos magistrados e servidores, garantindo a atenção prioritária a essas pessoas e aos seus dependentes. Nesse sentido, um dos objetivos do grupo é criar uma relação institucional de solidariedade dentro das carreiras da Magistratura e dos servidores do Poder Judiciário.

Pesquisa Anamatra - A Anamatra lançou, na última segunda (7/10), pesquisa sobre as dificuldades e necessidades dos magistrados e magistradas que são pais ou guardiões de pessoas portadoras de deficiências. O questionário visa conhecer e compreender a vida cotidiana de quem se responsabiliza física e emocionalmente com a atenção desses brasileiros. A pesquisa ficará disponível até o dia 21 de outubro. Clique aqui para participar.

Receba nossa newsletter