Anamatra apoia ação de combate e prevenção ao escalpelamento

Divulgação

Iniciativa é do Ministério Público do Trabalho e da OIT

Hoje, 28 de agosto, é o Dia Nacional de Combate e Prevenção ao Escalpelamento, acidente que já se tornou um problema de saúde pública nos rios da Amazônia e que afeta, especialmente, em sua maioria, mulheres e meninas na região norte do Brasil. Esse grave acidente costuma ocorrer em embarcações de pequeno porte, durante a pesca artesanal ou o transporte para a escola, o trabalho e outros locais.

O escalpelamento (escalpo – nome científico do couro cabeludo) é o arrancamento brusco e acidental do couro cabeludo de diversas formas, entre elas a partir do enrolamento dos cabelos nos eixos e partes móveis dos motores de barcos, geralmente embarcações de pequeno porte, sem proteção nos motores, o que possibilita o puxamento de cabelos de passageiros quando próximos. 

As consequências do acidente podem ser, além do arrancamento do couro cabeludo, a mutilação de orelhas, sobrancelhas e de parte da pele do rosto e pescoço, levando a deformações graves e até a morte. As vítimas de escalpelamento sofrem com traumas psicológicos e físicos, baixa autoestima e preconceito.

Preocupados com esse grave cenário, o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) lançaram uma campanha de conscientização para dar visibilidade à realidade de exclusão e violência enfrentada pelas vítimas. “A Anamatra apoia a campanha devido à relevância e ao desconhecimento que ainda envolve o tema, já que os gravíssimos acidentes ocorrem mais comumente no norte do Brasil. É preciso chamar a atenção para o problema e criar mecanismos para que o mal deixe de ocorrer”, afirma a diretora de Cidadania e Direitos Humanos da Anamatra, Luciana Conforti.

Boas práticas - Diversas organizações integram medidas de combate ao acidente. A Fundação Jorge Duprat e Figueiredo (Fundacentro), por exemplo, desenvolveu protótipo de proteção de eixo cardã dos motores. O Estado do Pará, tendo em vista a concentração de vítimas na região, estabeleceu a Comissão Estadual de Enfrentamento dos Acidentes com Escalpelamento.

Para conhecer a campanha contra o escalpelamento promovida pelo MPT em parceria com a OIT, clique aqui.

Receba nossa newsletter